Tu e Eu & Eu e Tu

Um blog de algodão doce

Eu… Setembro 30, 2006

Filed under: Blogroll — hanokas @ 9:04 pm

Eu sou a que no mundo anda perdida,
Eu sou a que na vida não tem norte,
Sou a irmã do Sonho, e desta sorte
Sou a crucificada… a dolorida…

Sombra de névoa ténue e esvaecida,
E que o destino amargo, triste e forte,
Impele brutalmente para a morte!
Alma de luto sempre incompreendida!

Sou aquela que passa e ninguém vê…
Sou a que chamam triste sem o ser…
Sou a que chora sem saber porquê…

Sou talvez a visão que Alguém sonhou,
Alguém que veio ao mundo p’ra me ver,
E que nunca na vida me encontrou!


(Florbela Espanca)

Anúncios
 

Auto – Retrato Setembro 29, 2006

Filed under: Blogroll — hanokas @ 7:19 am
Sou filha das giestas e dos montes
Sou irmã de silêncios e infinitos
Sou mãe das águas límpidas das fontes
E sou o eco forte dos meus gritos.

Espero ser rio calmo de água pura
Ou ser torrente forte ou ventania
Perder-me ou encontrar-me na lonjura
Mas ser apenas EU, dia após dia.

Quero poemas, músicas e canções
Muita alegria e paz nos corações
Dos idosos, dos jovens, das crianças.

Quero só o perfume de uma flor
Porque me basta todo o meu amor
E o oiro que carregam minhas tranças.

(Rita Pires)
 

Amanhã

Filed under: Blogroll — hanokas @ 1:45 am

O teu amanhã depende de como viveste hoje…

O ontem não importa…

AMANHÃÉSEMPRE O DIA SEGUINTE…!

O dia que segue ao anterior, o qual pode ter sido bom ou mau, alegre ou triste… foi o dia que cada um conseguiu viver…

Todos temos esperança no dia de AMANHÃ

Acreditamos que vai ser um dia bem melhor, com tudo o que aspiramos, lutámos e nem sempre conseguimos…

AMANHÃ… palavra de incerteza, onde nada é certo… tudo vontade ou desejo… no entanto quando falamos nele, é sempre na expectativa, que vai ser o dia da solução de todos os nossos problemas…

Façamos do dia de AMANHÃ,… o maior,… o melhor,… aquele que nos fez chegar até aqui…!

 

Se me amas de verdade …

Filed under: Blogroll — hanokas @ 12:45 am
“Se me amas de verdade
Não deixes para mostrar este amor depois
Pois o depois, poderá ser tarde “demais “.

Se me amas de verdade,
Não me digas, “preocupo-me contigo”
Mas sim, estejas ao meu lado sempre,
pois juntos, dividiremos e superaremos as adversidades do dia-a-dia.

Se me amas de verdade,
Não esperes eu te chamar para um passeio…
Pegues-me pelas mãos e me faças uma surpresa
Me leves para qualquer lugar,
pois por mais simples que seja, o mais importante,
Será ao teu lado, sempre estar.

Se me amas de verdade,
Se me sentires triste, não me digas “não fiques assim”…
Brinques, contes-me uma piada e
Tentes arrancar aquele sorriso dos meus lábios,
Me fazendo esquecer, pelo menos, naquele momento,
O que estiver doendo em meu coração.

Se me amas de verdade,
Não me digas
Vou tentar te ajudar no que for possível…
Me mostres que estás tentando o impossível
Pois para quem ama, o impossível é pouco,
Mas vale sempre a intenção, e jamais esquecerei que um dia,
Tu pelo menos tentaste.

Se me amas de verdade
Não me digas, “quero te beijar”…
Corras para os meus braços e me beijes loucamente
Como se fosse sempre a primeira vez
Em que com ele tu me enlouqueceste.

Se me amas de verdade
Não me perguntes, “queres fazer amor comigo?”…
Me arrastes para e contra ti, viremos um só.
Me encantes com todos os teus encantos,
Me ames loucamente,
E me eleves aos céus, e depois repousaremos nas nuvens.

Se me amas de verdade
Não me digas que um presente não podes me comprar,
Seja lá por que circunstância for…
Mostre simplesmente que te lembraste, que aquela data,
Era muito importante para mim.
Pois já estar ao teu lado, é o maior presente
Que recebo de ti, diariamente.
Agora, se me amas de verdade
Não me digas simplesmente “Eu Te Amo”…
Jamais me mostres este amor apenas com palavras.
Pois as palavras, o vento as levam.
Mostres-me este amor
Com toda a tua capacidade de amar,
Com teus gestos, teus carinhos, e principalmente
Com as tuas atitudes mais inesperadas
Que me surpreendem e até roubam-me algumas lágrimas
Lágrimas estas de felicidade, pois sentirei sempre em ti
Que “TU ME AMAS DE VERDADE

Quanto a mim, me dês a chance de te mostrar
O tamanho do meu amor por ti
Mas não te mostrarei por simples palavras
Me entregarei a ti de corpo e alma
Porque eu, Te Amo de Verdade.”

(Nao sei de onde tirei este texto, mas é em todo, um pouco de mim…)
 

Pedaços de uma vida… Setembro 26, 2006

Filed under: Blogroll — hanokas @ 8:15 am
Já vivi muito… muito de muito e muito de nada…
Uma vida farta de nada e vazia de tudo… uma vida repleta de tanto na verdadeira imensidão do intenso, do abundante…
Já vivi sem ter sentido e já senti cuidando não ter vivido…
Já me apaixonei muitas vezes… Já me apaixonei por gestos, por sorrisos, por lágrimas… Já me apaixonei pelo verdadeiro, pelo inato, por âmagos não moldados…
Tudo o que é artificial, ajustado, abomino. Tudo quanto é genuíno e expressado com despretensão, apaixona-me…
Já fui tanto e tão pouco… Já fui de tudo um pouco… Já senti e vivi todos as sensações que um ser humano pode experimentar: já ri às gargalhadas até chorar de tanto rir; já chorei de pena; já chorei de morte; já chorei de alegria ao trazer um filho ao mundo…
Já sorri em vez de chorar, enganando o choro e enganando-me a mim… Já sorri pela felicidade do retorno dum sorriso…
Já sofri, sofrer de dor profunda, de dor intrínseca e enraizada… Já sofri sem saber porquê…
Já amei e amo… amor de amor, de dar sem pedir nem esperar… amor de filha, amor de irmã, amor de mãe, amor de mulher…
Já pedi, já implorei, já me humilhei… e de joelhos já supliquei…
Já corri até ficar sem fôlego e já corri em passos lentos sem sair do lugar ao sabor da vida e dos demais…
Esperar? Já esperei, desesperei… Hoje já não espero… a vida é uma espera constante e de tão constante ser, passou à certeza do certo… e o que é certo não é esperado…
Já quis ser e não fui e já fui o que não quis ser nem ambicionei… Já quis e não quis sem saber qual o querer…
Já dei pelo prazer de dar e já recebi sem esperar receber…
Já acreditei sem questionar e já questionei sem querer saber o porquê…
Já julguei sonhar acordada, mas os sonhos não existem… os proclamados de sonhos são meramente as vontades, os anseios não realizados… porque é tão mais fácil falar de uma utopia do que querer, lutar por concretizar o desejo… o sonho é o unívoco do querer e só deixará de ser sonho se houver vontade de querer e fazer…
Já olhei com olhos de ver, já julguei ver o que os olhos não viram e já olhei para o escuro e vi o que os olhos pensaram não ver…
Já fui abençoada com pessoas boas de índole pura, amantes da vida, do amor e do próximo…
Já cruzei com entes estranhos, ficcionando vidas que não são as suas ou não as podem ter, conjecturando realidades díspares das suas naturezas… perdidos sem quererem ser achados…
Já cruzei com a mentira, com a falsidade, aquela a que engana, atraiçoa, que não tem começo nem fim, que dilacera, aguilhoa com desdém, até com contornos de perversidade…
Já cruzei com a sinceridade e com aqueles que se dizem “demasiado sinceros” também… com a sinceridade que inunda a alma e me faz crer na vida e nas pessoas… àqueles que se dizem “demasiado sinceros” apelido-os de embustes do ser humano… não existe demasiado sincero, ou se é sincero ou não se é. A sinceridade só tem um peso e uma medida…
E hoje, que tenho hoje? Uma vida que me sorri e me envolve com os seus ensinamentos de todo um percurso caminhado perscrutando, observando e apreendendo todos os possíveis meandros, cantos e recantos do ser humano, em prol da felicidade… a minha felicidade e a dos meus…
Que retive da vida que passou por mim e da vida que agarrei de rédeas nas minhas mãos?
Aprendi que o amor se constrói, se edifica com o saber, com a coragem, a força, a luta diária, o acreditar, o dar e voltar a dar e se mais for necessário, novamente dar…
Que a felicidade nos pertence, que nasceu no dia em que nascemos, que é uma dádiva adquirida à nascença, que vive dentro de nós desde sempre… que emergirá e nos fará sorrir e dizer que experimentámos a felicidade, se e só se tivermos a capacidade de lutar e o querer de querer ser feliz…
 

Pois é! Setembro 22, 2006

Filed under: Blogroll — hanokas @ 11:05 pm
Já se passou um mês e parece que foi ontem que ouvi:
“Vamos fazer um blog?”
Pensámos, porque não?
A ideia era tentadora mas, e a experiência? O que iríamos escrever num espaço aberto na Internet, nesta aldeia à escala mundial?
Mas, aceitámos a proposta que nos foi dirigida, e a Litinha, com um entusiasmo contagiante pôs mãos à obra e, como se diz bem à maneira portuguesa “Meu dito, meu feito!”, e voilá, nasceu o nosso menino, o nosso projecto o qual baptizámos de Ecos & Sussurros:

Ecos das nossas vozes e Sussurros das nossas almas.

Um projecto que muito nos orgulha e no qual depositamos todos os nossos pensamentos. É sempre com muita alegria que vemos o nosso número de visitantes aumentar e os primeiros comentários “extra-blog” a surgir, é tão lindo!
A avaliar pela qualidade demonstrada até agora, e digo até agora porque este projecto no qual investimos diariamente ainda é uma criança em fase de crescimento, creio que este será sempre um cantinho agradável que continuará a encantar e a fazer sonhar corações.
Do Ecos & Sussurros fazem parte um conjunto heterogéneo de pessoas com pensamentos avulso que agora se encontram compilados num único espaço onde são partilhados por todos aqueles que dia após dia nos visita, alimentando este nosso projecto.
Este blog corre ao sabor da imaginação de cada um que o lê, e na minha também. Eu imagino os nossos pensamentos a aquecer os corações de quem os lê da mesma maneira intensa como aquece o meu.
Não poderia deixar de partilhar um pequeno excerto da Truman CapoteBreakfast at Tiffany’s, que considero relevante. Não que eu pense no “Ecos” como um animal selvagem mas porque tenho a certeza que irá voar muito alto motivado pela força, carinho e motivação que lhe damos.

“Não podemos confiar o coração a um animal selvagem: Quanto mais lhe damos, mais forte fica. Até ter força suficiente para largar a correr para a floresta. Ou voar para uma árvore. E depois para outra árvore mais alta. E depois para o céu.”

Nós confiamos o nosso coração a este cantinho e a todos aqueles que aqui queiram aparecer e fazer uma visita, enriquecendo este espaço com a vossa presença.

Até sempre

 

Apenas… alguém! Setembro 19, 2006

Filed under: Blogroll — hanokas @ 7:01 am
Já diz o velho ditado que “Quem anda à chuva, molha-se”!
E como não há ditado que não tenha o seu fundamento, este reflecte perfeitamente o que me acaba de suceder. Enveredar no mundo dos blogs tem destas situações, nomeadamente ser literalmente apanhado pela moda das “correntes”. Pois que, esta é tão-somente mais uma entre tantas outras que proliferam neste universo. Confesso que o desafio que me é proposto não é fácil, mas também não se apelidaria de desafio se assim não fosse. Após alguma relutância em aceitar, pouco cabimento entendo que tenham as correntes e normalmente não lhes dou continuidade, esta suscitou-me algum interesse.
Olhar para o meu eu, vasculhar nele e definir-me como ser humano, é na realidade um desafio!
Fui etiquetada pelo Art of Love do blog About Last Night , agora só me resta fazer jus ao pretendido e tentar descrever-me através de seis características. Por fim devo dar continuidade a este desafio colando etiquetas em mais seis bloggers.
Afinal, quem sou eu?
Também eu me questiono diariamente sobre a essência deste ser com quem convivo há já alguns anos.
Não sei quem sou… sou apenas alguém entre tantos outros seres, com características análogas ou opostas, que chora, que ri, sorri, grita, sussurra, …, que deseja encontrar-se na amálgama de identidades que parece coexistirem dentro de si, que deseja viver em sociedade o melhor possível.
Costumo achar que sou um animal selvagem domesticado pela vida. Pela vida que escolhi viver e pela vida que me foi permitida ter.
Sinto-me constantemente como um vulcão adormecido que instigado por momentos menos bons, entra irremediavelmente em erupção atingindo, por vezes, as pessoas que menos gostaria que fossem atingidas… que me perdoem!
Sou amiga do amigo e o meu coração não tem limitações no que concerne à minha prontidão em ajudar e estar presente em qualquer momento em que o meu ombro seja de alguma forma um alento.
O isolamento, o refúgio nos meus pensamentos, o meu comportamento reservado e pouco falador, são muitas vezes confundidos, por quem não me conhece e num primeiro contacto, com arrogância, frieza de sentimentos, egocentrismo, o que me dificulta a proximidade e relacionamento com outras pessoas. Mas, e apesar de ter consciência de que assim é, esta é a minha forma de ser, gosto de ser assim, é assim que sei viver comigo e sou fiel a mim mesma. Com um relacionamento mais próximo, esta primeira impressão é ultrapassada e anulada.
A força de vontade, a determinação, a persistência, são algumas características mais vincadas na minha personalidade e que me têm ajudado a alcançar grande parte dos meus objectivos.
Confesso que há momentos em que me apetece desistir da vida, que a acho sem sentido… talvez espere demais dela ou talvez seja demasiado exigente, não com as outras pessoas, mas comigo mesma.
Para findar acrescento que sou extremamente emotiva, que me comove o sofrimento a todos os níveis sobretudo o das crianças; que me contagia o sorriso e o choro d’outrem; que sou muito sensível e sentimentalista apesar de não o conseguir (e não sei porquê) demonstrar.
Porque entendo que todos nós somos a imagem que transmitimos e também a imagem que de nós constroem, vou alterar um pouco as regras e uma vez que não li regulamento que me inibisse de o fazer, vou ousar pedir a cooperação dos meus colegas aqui do “Sussurros”; que me “etiquetem” e me ajudem a construir o meu eu.
Quanto aos bloggers contemplados a dar seguimento a esta iniciativa, escolho os seguintes: